Cachoeira, Reserva Biológica da Canela Preta

A Amazônia é sempre associada à enorme riqueza de recursos naturais - água, flora, fauna, vastas extensões de terras cultiváveis - com seus inúmeros povos autóctones detentores de saberes valiosos, que juntos despertam admiração e cobiça em todo o mundo.

O Rio Trombetas, um importante afluente do rio Amazonas no Estado do Pará, serve como um microcosmo perfeito da longa história de descobertas, ocupação e uso dos recursos naturais da maior floresta tropical de nosso planeta.

Ele é formado pelos rios Poana e Anamu, que nascem nas proximidades da fronteira do Brasil com Guiana e Suriname, e percorre 760 km de extensão passando pelos municípios de Faro, Óbidos, Terra Santa e Oriximiná, numa região de floresta densa, formando belas corredeiras, cachoeiras e extensas praias, até desaguar na margem esquerda do Amazonas.

No Período Colonial, com a chegada dos primeiros viajantes e explorados à Amazônia, o Rio Trombetas logo adquiriu status especial nos relatos de abundância e fartura, especialmente sobre a diversidade de sua fauna aquática.

O Trombetas foi reconhecido como sendo o local com maior concentração de populações de tartarugas de toda a floresta amazônica – razão principal para que as autoridades o elegessem como prioritário para implantar medidas de proteção.

Em 1965, o Rio Trombetas passou a contar com o “Serviço de Proteção à Tartaruga”, que se tornou referência na conservação dos recursos naturais da região.

Em 1975, o “Serviço de Proteção à Tartaruga” amplia suas forças ao receber recursos do Programa de Polos Agropecuários e Agrominerais da Amazônia - POLAMAZONIA. Nessa época, o Engenheiro Agrônomo Alberto Guerreiro de Carvalho do IBDF passa a coordenar a base operacional em Oriximiná.

Por meio do Decreto nº 84.018, de 21 de setembro de 1979, o Presidente da República João Batista de Figueiredo cria a Reserva Biológica do Rio Trombetas (REBIO Trombetas), abrangendo terras do município de Oriximiná, com área estimada em 385.000 ha (trezentos e oitenta e cinco mil hectares), no Estado do Pará.

A Reserva Biológica do Rio Trombetas foi a segunda REBIO criada no país e a 1ª Unidade de Conservação voltada principalmente para a proteção dos quelônios. O Engenheiro Alberto Guerreiro de Carvalho, durante mais de duas décadas, permanece à frente da gestão dessa área, tornando-se uma referência nacional na conservação das tartarugas e tracajás.

Em 1982 por meio de uma parceria entre o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal – IBDF, e a Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza – FBCN (uma das mais antigas ONGs ambientalistas do país), é elaborado o 1º Plano de Manejo da REBIO Trombetas.

Em 1989, o Presidente José Sarney criou a Floresta Nacional de Saracá-Taquera (Decreto nº 98.704, de 27 de dezembro de 1989), com área aproximada de 429.600 ha (quatrocentos e vinte e nove mil e seiscentos hectares), onde existe uma lavra comercial de bauxita pela Mineração Rio do Norte (MRN), geradora de inúmeros empregos e grandes divisas para os cobres públicos.

Em 1993, os técnicos do IBAMA realizam um diagnóstico amplo que dá origem ao Plano de Ação Emergencial para a Reserva Biológica do Rio Trombetas, visando aperfeiçoar as estratégias de manejo e conservação de seus recursos naturais. .

Em 1997, foi criado através da Portaria IBAMA nº 1299, de 12 de setembro de 1997, um Grupo de Trabalho  desenvolvimento de ações junto às comunidades Biológica do Rio Trombetas e Floresta Nacional Saracá-Taquera, no intuito de racionalizar os esforços na integração das comunidades com os objetivos do IBAMA. O Grupo de Trabalho tinha como Coordenador o Chefe do CENAQUA de Goiânia, Engenheiro Vitor Hugo Florestal.

Em 2002, o Engenheiro Vitor Hugo Cantarelli, que já estava cursando Doutorado em Ecologia pela ESALQ-USP, assume a Chefia da REBIO Trombetas, intensificando os trabalhos de proteção dos quelônios, bem como de reavaliação do Plano de Manejo da Unidade. Também acumula a função de chefe da Floresta Nacional de Saracá-Taquera (FNST), localizada na margem direita do rio Trombetas.

Em 2004, com a aprovação do novo Plano de Manejo, inicia-se o processo para a criação do Conselho Consultivo.

Através da Portaria IBAMA nº 27, de 09 de março de 2006, é criado o Conselho Consultivo da REBIO do Rio Trombetas, com a finalidade de contribuir com a implantação e implementação de ações destinadas à consecução dos objetivos criados da referida Unidade de Conservação. O Conselho Consultivo da REBIO Trombetas era formado por 15 (quinze) membros, titulares e suplentes, com a seguinte distribuição: um representante do IBAMA, dois representantes da Universidade Federal Fluminense (UFF), dois representantes da Prefeitura de Oriximiná, dois representantes da Mineração Rio do Norte, dois representantes da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO), dois representantes da Associação dos Produtores e Criadores Rurais da Bacia do Rio Trombetas (ASTRO), dois representantes  do Instituto Gaya de Defesa das Águas, dois representantes da Associação de Moradores da Comunidade Remanescente de Quilombos de Cachoeira Porteira (AMOCREQ – CPT).

Ao longo desses 37 anos de história, três instituições estiveram envolvidas na gestão da Reserva Biológica do Rio Trombetas. O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF) era o órgão responsável por sua gestão, através do Departamento de Pesquisa e Conservação da Natureza (DN), e posteriormente pelo Departamento de Parques Nacionais e Reservas Equivalentes (DPNRE). De 22 fevereiro de 1989 a 26 de abril de 2007 essa tarefa ficou a cargo da Diretoria de Ecossistemas do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (DIREC/IBAMA). Atualmente, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO) é a entidade gestora desse importante patrimônio cultural/ambiental de nossa nação.

O nome do responsável pela gestão da Reserva Biológica do Rio Trombetas foi mudando ao longo dos anos, como por exemplo: Diretor, Gerente, Chefe e Gestor.

Desde que foi criada, a Reserva Biológica do Rio Trombetas conta com uma valorosa Galeria de Gestores, a saber:

1º - Alberto Guerreiro de Carvalho (Engenheiro Agrônomo) – 21/09/1979 a 04/10/2001

2º - Mauro Jorge de Oliveira Pimentel – 04/10/2001 a 22/07/2002

3º - Vitor Hugo Cantarelli (Eng. Florestal) – 22/07/2002 a 01/07/2004

4º - Carlos Augusto de Alencar Pinheiro (Eng. Florestal) – 01/07/2004 a 18/03/2011

5º - José Risonei Assis da Silva (Eng. Agrônomo) – 30/03/2011 a 25/03/2015

6º – Marcelo Borges de Oliveira e Silva (Analista Ambiental) - 25/03/2015 até hoje.

 

BIBLIOGRAFIA:

ALFINITO, J. 1973. Fundamentos ao Serviço de Proteção à Tartaruga. In: Ministério da Agricultura. DEMA & BRASIL. IBDF. Preservação da Tartaruga Amazônica. Belém.

ALFINITO, J. 1978. Identificação dos principais tabuleiros de tartarugas no rio Amazonas e seus afluentes. Boletim Técnico. IBDF, 5: 27-84.

ALFINITO, J., VIANNA, C.M., DA SILVA, M.M.F & RODRIGUES, H. 1976. Transferência de tartarugas do Rio Trombetas para o Rio Tapajós. Brasil Florestal, 7 (26):49-53.

ALHO, C.J.R. 1985. Conservation and Management Strategies for Commonly Exploited Amazonian Turtles. Biological Conservation. (32):291-298. Elsevier Applied Science Publishers Ltd. England.

ALHO, C.J.R.& PÁDUA, L.F.M. 1982. Sincronia entre regime de vazante do rio e o comportamento de nidificação da tartaruga-da-amazônia Podocnemis expansa (Testudinata, Pelomedusidae). Acta Amazônica, 12(2):323-326.

ALHO, C.J.R., CARVALHO, A.G., PÁDUA, L.F.M. 1979. Ecologia da Tartaruga-da-amazônia e avaliacao de seu manejo na Reserva Biológica do Trombetas. Brasil Florestal, Brasília 9(38): 29-47.

BONACH, K. 2004. Diagnóstico da Tartaruga-da-amazônia Podocnemis expansa para a revisão do plano de manejo da Reserva Biológica do Rio Trombetas, Estado do Pará.

BRASIL. 1921. Decreto nº 4.421, de 28 de dezembro de 1921. Cria o Serviço Florestal do Brasil. Disponível em: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/

BRASIL. 1934. Decreto nº 23.793, de 23 de janeiro de 1934. Aprova o Código Florestal que com este baixa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/d23793.htm

BRASIL. 1951. Decreto nº 29.093, de 8 de Janeiro de 1951. Aprova o regimento do Serviço Florestal do Ministério da Agricultura. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-29093-8-janeiro-1951-331427-publicacaooriginal-1-pe.html

BRASIL. 1963. Decreto nº 52.440, de 3 de Setembro de 1963. Aprova o Regimento do Conselho Florestal Federal do Ministério da Agricultura. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-52440-3-setembro-1963-392617-publicacaooriginal-1-pe.html

BRASIL. 1966. Decreto nº 58.054, de 23 de março de 1966. Promulga a Convenção para a proteção da flora, fauna e das belezas cênicas dos países da América. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-58054-23-marco-1966-398707-publicacaooriginal-1-pe.html

BRASIL. 1966. Lei nº 5.106, de 2 de setembro de 1966. Dispõe sôbre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/1950-1969/L5106.htm

BRASIL. 1967. Decreto-lei nº 289, de 28 de fevereiro de 1967. Cria o Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/del0289.htm

BRASIL. 1979. Decreto nº 84.018, de 21 de setembro 1979. Cria a Reserva Biológica do Rio Trombetas e dá outras providências. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-84018-21-setembro-1979-433349-publicacaooriginal-1-pe.html

BRASIL. 1989. Decreto nº 98.704, de 27 de dezembro de 1989. Cria a Floresta Nacional de Saracá-Taquera. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D98704.htm

BRASIL. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322

CARVALHO, Joaquim Francisco de. 2008. Dilapidação do legado da natureza. Disponível em: http://www.correiocidadania.com.br/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=1720

CESAR, Cristopher Pereira. 2010. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal: um estudo evolutivo e das competências da instituição. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica-RJ. 33p. Disponível em: http://www.if.ufrrj.br/inst/monografia/2009II/Cristopher.pdf

ESTEVES, Caio Marcio Proetti. 2006. Evolução da criação dos Parques Nacionais no Brasil. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica – RJ. 36p. Disponível em: http://www.if.ufrrj.br/inst/monografia/Monografia%20Caio%20Marcio%20Proetti%20Esteves.pdf

FONSECA, André Luis de Castro. 2009. Do Serviço Florestal do Brasil (SFBr) de 1921 ao Serviço Florestal Brasileiro (SFB) de 2006. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica-RJ. 35p. Disponível em: http://www.if.ufrrj.br/inst/monografia/2009I/Andre.pdf

FRANCO, José Luiz de Andrade & DRUMMOND, José Augusto. 2009. O cuidado da natureza: a Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza e a experiência conservacionista no Brasil: 1958-1992. Textos De História, 17 (1): 59-84. Disponível em: file:///C:/Users/gabinete/Downloads/1666-4899-1-PB.pdf

HALLER, E.C.P. 2002. Aspectos da biologia reprodutiva de Podocnemis sextuberculata Cornalia, 1849 e Podocnemis unifilis Troschel, 1848 (Testudinata: Pelomedusidae) na região da Reserva Biológica do Rio Trombetas, Pará. São Paulo. 78p. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo.

IBAMA. 1993. Plano de ação emergencial para a Reserva Biológica do Rio Trombetas. Brasília, 97p.

IBAMA. 2004. Plano de Manejo da Reserva Biológica do Rio Trombetas. Brasília: IBAMA. 556p. Disponível em:  http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/rebio_trombetas.pdf

IBDF & FBCN. 1982. Plano de Manejo da Reserva Biológica do Rio Trombetas. Brasília, 113p.

ICMBIO. 2016. Floresta Nacional Saracá-Taquera. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/amazonia/unidades-de-conservacao-amazonia/1948-flona-de-saraca-taquera.html

ICMBIO. 2016. Reserva Biológica do Rio Trombetas. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/amazonia/unidades-de-conservacao-amazonia/2003-rebio-do-rio-trombetas.html

IPEF – Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais. 2015. Banco de Dados "Legislação Ambiental". Disponível em: http://www.ipef.br/legislacao/bdlegislacao/?No_Pai=28&Caminho=25,2,1,0

ISA – Instituto Socioambiental. REBIO do Rio Trombetas. Disponível em: http://uc.socioambiental.org/uc/5699

MARTINS, Fernando Barbosa dos Santos. 2010. Departamento de Recursos Naturais Renováveis: um estudo da estrutura e das competências da instituição. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica-RJ. 35p. Disponível em: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/8648

MOTA, Natasha Sophia Catarina Baptista da. 2013. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade: Surgimento e Competências Institucionais. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica-RJ. 31p.

PÁDUA, L.F.M., ALHO, C.J., CARVALHO, A.G. 1983. Conservação e manejo da tartarugada-amazonia, Podocnemis expansa, na Reserva Biológica do Rio Trombetas (Testudines, Pelomedusidae). Brasil Florestal. (54): 43-53.

PAES, Marlus Iásbeck. 2010. Instituto Nacional do Mate e Instituto Nacional do Pinho: estudo institucional comparado. Monografia - curso de Engenharia Florestal, Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientador: José de Arimatéa Silva. Seropédica-RJ. 35p. Disponível em: http://www.if.ufrrj.br/inst/monografia/2009II/Marlus.pdf

PEREIRA, Helio dos Santos. 2000. Estado Actual de La Informacion sobre Instituciones Forestales. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/006/ad399s/ad399s06.htm

RISONEI, José. Estratégias de Proteção e Recuperação de Populações de Espécies de Quelônios na Reserva Biológica do Rio Trombetas (NOTA TÉCNICA). ICMBIO: Oriximiná. 4p. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/nota_tecnica_rebio_trombetas_08122011.pdf

SALERA JÚNIOR, G. 2008. IBAMA no Tocantins: um breve histórico. Disponível em:  http://recantodasletras.com.br/artigos/847088

SALERA JÚNIOR, G. 2009. Parque Nacional do Araguaia – 50 anos. Disponível em: http://recantodasletras.com.br/ensaios/1658717

SALERA JÚNIOR, G. 2009. Projeto Quelônios da Ilha do Bananal: um breve histórico. Disponível em: http://recantodasletras.com.br/artigos/1570079

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes da Floresta Nacional de Caxiuanã. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5495684

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes da Floresta Nacional do Araripe-Apodi. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5494676

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5494195

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes do Parque Nacional de Brasília. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5481303

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes do Parque Nacional do Araguaia. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5484465

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Chefes do Parque Nacional do Itatiaia. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5494332

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Presidentes e Diretores do IBAMA. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5052073

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Presidentes e Diretores do IBDF. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5230961

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Presidentes e Diretores do ICMBIO. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5232128

SALERA JÚNIOR, G. 2015. Superintendentes do IBAMA nos Estados. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/4972386

SALERA JÚNIOR, G. 2016. Chefes da Reserva Biológica de Poço das Antas. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5552800

SALERA JÚNIOR, G. 2016. Chefes da Reserva Biológica do Rio Trombetas. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5547384

SILVA, José de Arimatéa. 2014. Organizações da Administração Florestal Federal no Brasil: E(In)volução 1912-2014. Barra Mansa (RJ): Gráfica Irmãos Drumond. 104p.

VANZOLINI, P.E. 1967. Notes on the Nesting Behavior of Podocnemis expansa in the Amazon Valley. (Testudines, Pelomedusidae). Papeis Avulsos de Zoologia. São Paulo, 20: 191-215.

VANZOLINI, P.E. 1972. Répteis e Anfíbios Ameaçados de Extinção no Brasil. In: Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, p:155-157.

VOGT, R.C.; CANTARELLI, V.H.; CARVALHO, A.G. 1994. Reproduction of the Cabeçudo, Peltocephalus dumerilianus, in the Biological Reserve of Rio Trombetas, Pará, Brazil. Chelonian Conservation and Biology. Volume 1, number 2: 145-148.

WANDERLEY, Luiz Jardim de Moraes. 2008. De escravos livres a castanheiros “presos”: A saga dos negros no Vale do Trombetas. Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em Caxambu- MG – Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de 2008. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docsPDF/ABEP2008_1869.pdf

WIKIPÉDIA. 2016. Oriximiná. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Oriximin%C3%A1

WIKIPÉDIA. 2016. Porto Trombetas. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Porto_Trombetas

WIKIPÉDIA. 2016. Reserva Biológica. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Reserva_biol%C3%B3gica

WIKIPÉDIA. 2016. Reserva Biológica do Rio Trombetas. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Reserva_Biol%C3%B3gica_do_Rio_Trombetas

 

AGRADECIMENTOS:

A realização desse trabalho só se tornou possível pela imensa colaboração que recebi de inúmeras pessoas.

Aproveito para manifestar meus agradecimentos especiais para: (1) Geógrafa Divina Paula Batista de Oliveira da SUPES-TO, (2) Biólogo Rafael Antônio Machado Balestra do RAN de Goiânia, (3) Eng. Florestal Rubens da Rocha Portal do IBAMA no Amapá e (4) Eng. Florestal Vitor Hugo Cantarelli, coordenador nacional do Projeto Quelônios da Amazônia de 1979 a 2013.

Palmas - TO, Fevereiro de 2016.

Giovanni Salera Júnior

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Curriculum Vitae: http://lattes.cnpq.br/9410800331827187

Maiores informações em: http://recantodasletras.com.br/autores/salerajunior.