jos henrique.jpg - 53.60 Kb

Homenagem prestada a José Henrique Imbiriba Guerreiro, no programa da Festividade de Santo Antônio 2015, padroeiro de Oriximiná.

Para Zé Henrique.

Escrever é amar, é ter fé, é sonhar, é mergulhar em versos, é cantar, é viver, é aprender, é experimentar, e com apenas algumas palavras, surpreender.

E quando as palavras costumam faltar é porque os sentimentos falam mais alto. o que se sente é impossível de explicar ou de tentar esquecer e apagar da memória e do coração.

Assim me sinto diante do que vejo diariamente ao contemplar o Zé diante do santo querido. É mais que devoção, é encanto!

Minha pergunta é sempre: e agora Zé?

A festa se aproxima e tua faina diária não termina diante do santo peregrino, teu magrinho querido. Coração inquieto, tu vás a procura dele pra flores e velas ofertar.

E agora José? Diante do teu protetor, tu choras, suplicas, clamas e reclamas. Diante dele tuas conversas são intensas e vividas, cheia de gratidão e fé.

Para ti Zé, a festa é todo dia, e todo o dia de oração, de encontro, de amor zeloso.

Pra ti é sempre novidade, atenção e alegria, como tuas flores devotamente escolhidas e contadas.

Tua súplica incessante chega diariamente com flores e velas, com lágrimas, sorrisos e aplausos. o riso, o olhar e a troca de olhares. a mão na nuca.

Tuas palavras sinceras. Os abraços, os gestos. As horas de conversas e brincadeiras, de brigas e voltas, são expressões de tua fé ardente.

Porque para ti, Zé Henrique, a fé é sempre ardente e teimosa. A esperança é já conquista e o amor é eterno e simples.

Transcrito por João Raimundo Farias

Nota: José Henrique Imbiriba Guerreiro (24-01-1942) é filho de Thereza Imbiriba Guerreiro, e neto de Helvécio Imbiriba Guerreiro e Maria da Paz Cavalcante Guerreiro.